Fala meus queridos,

Xuxu beleza?

Larguei essa vida de baladas e agora vou virar blogueiro (MÍDIRA, vou continuar chapando o grobo, mas só de vez em sempre quando). Para iniciar esta incrível caminhada, não sei se vai ser tão incrível… pensei em criar uma coluna no Integraê chamada ‘’9 coisas’’. E porque ‘’9’’ Sekinho? Porque eu sou supersticioso e também era artilheiro e usava a camisa número ‘’9’’  (Seko 9 – matador, artilheiro, terror dos goleiros, craque, fenômeno, repetaculê e demais). Na verdade sou ruim por demais da conta, mas da nada.

Para iniciar isto, começo com “9 coisas que aprendi com os Jogos Universitários’’.

picasion.com_7d4242ebf9966c08926ce875430ef9df

  1.  Você vai esquecer alguma coisa

Mesmo que você se planeje fazendo lista de itens para levar nos jogos, imprima a lista que a atlética escreveu na lousa ou publicou no face, tu vai esquecer algo, seja o sabonete, cueca, pinga, toalha, colchão, tênis, camisinha ou a mala no ponto do busão. Ah… e tem sempre o doido que esquece o RG ou o ingresso pra entrar na festa, aí é aquela correria pra tentar engambelar o segurança ou o staff da balada. Não adianta, tu vai esquecer algo.

  1. Ele vai te deixar marcas

É impossível tu sair sem nenhuma marca dos jogos. Vou te mostrar algumas das inúmeras marcas que os jogos podem deixar:

Uma das mais fáceis de ganhar é um roxo, seja ele no jogo de futebol, de um tombo bêbado ou um chupão da paquera. Além destas marcas, tem aquelas malditas tatuagens que tu volta dos jogos e vai descobrindo umas tattoos em diversos lugares que tu nem sabia da existência, além de que elas não saem nem com reza braba.

  1. ‘’Veio comigo e comigo vai voltar, 4 dias sem cagar’’

Quem nunca ouviu esta famosa frase? Acredite, você não é o único que consegue ficar vários dias sem cagar. Jogos é isso mesmo: correria do cão, banheiros lotados e também tem a questão do “bumbum tímido’’ (não consegue funcionar fora de seu ambiente natural). Faz parte, meu amigo.

  1. Dormir é para os fracos!

1002001_197262210460774_111943287_n

Bixo véio, dormir é, com TODA CERTEZA, para os fracos franguinhos. Você tem 96 horas do evento mais SENSACIONAL DO PRANETA, e tu vai gastar 8 horas por dia, 32 horas no TOTAL, dormindo? Tá MALHUCO? É 33% de um tempo PRECIOSO perdido! Se tu dormir no máximo 3 horinhas por dia, tá BALA, SUPIMPA, partiu para o próximo!

Obs: Para os diretores e C.O. um cochilo de 1-2 horas, tá belezura demais!!!

  1. ‘’TIRANDO A …, TODO MUNDO É IRMÃO.

Nos jogos, as pessoas costumam se matar dentro de quadra, defender sua amada atlética até a última gota de suor, dar realmente o sangue. Mas, após as competições, é normal você encontrar as pessoas que acabaram de jogar tomando uma gelada, fazendo uma dancinha marota ou cantando a musiquinha da outra atlética, tem até atlética que decide torcer para o oponente. Fora de quadra, ‘’TIRANDO A …, TODO MUNDO É IRMÃO.

  1. Você vai se apaixonar!!!1966708_634928926581996_1018742028_n

Seja pela gata, pelo boy, pelo cachorro ou até aquela boneca inflável. Não sei porque, mas rola momentos mágicos nos jogos, é muito LOVE em um só lugar. E pode ser o love de 10 minutos, uma noite ou dos quatros dias, estilo amor de verão que não sobe serra.  Mas também pode durar muito mais, virar um lancinho, namoro sério e, quem sabe, até casamento (em homenagem aos lindos Bruno [Araras] e Kati). “É mágico, não tem como explicar”.

  1. Ser um melhor ouvinte

É impossível você participar dos jogos e não se tornar um melhor ouvinte. Uma vez dentro da C.O. ou sendo diretor de atlética, você precisa aprender a ouvir. Seja para escutar aquela crítica que será construtiva no futuro ou aquela latinha de merda que sua delegação, atleta, vizinho de alojamento, diretor de escola ou rival vai falar para você. E tu precisará respirar e contar até 10, antes de mandar ele para o inferno, e responder um ‘’Ok, concordo com você’’ e dar um sorriso.

Como atleta você se torna mais paciente e compreensivo. Ouve seu diretor esportivo e/ou treinador e tenta absorver ao máximo aquelas palavras que direcionam e/ou inflamam você na hora de entrar em quadra, ou que confortam você em uma derrota ou, ainda, que parabenizam em uma vitória.

  1. A vestir a camisa de uma organização

q5

Seja como diretor de atlética, ritmista, atleta ou delegação, eu aprendi realmente o que é representar alguém ou alguma organização. Vestir a camisa e bater no peito e falar ‘’AQUI É BISÃO, POHA!’’.

Se virar para consertar aquela cagada que aconteceu de última hora. Brigar pela organização com unhas e dentes até o final. Entrar em quadra e dar seu melhor, não importando se o jogo está ganho ou perdido. Ensaiar, ensaiar e ensaiar até atingir a perfeição. Se preparar para fazer uma apresentação impecável e mostrar o quanto sua organização é boa. Mostrar que aquilo é importante para você e para muitos que estão vestindo a mesma camisa. Mostrar sua dedicação e, principalmente, o seu amor pela atlética.

  1. Os jogos são INESQUECÍVEIS!

E, por final, após tantas lições, aprendi que os jogos serão eternizados em nossa memória por toda a vida. Seja por aquela amizade que durou a vida inteira, pelo amor que te acompanha hoje, pelas lições que foram aprendidas nas derrotas, pelas lágrimas derramadas naquela inesquecível final que trouxe a douradinha, pela cicatriz que tu ganhou, pela tatuagem que tu deixou na pele, pelas brigas que tu enfrentou, pelas ‘’correrias’’ que fez você se virar em cinco para cumpri-las, por ter se tornado uma pessoa melhor, e por, mesmo depois de escutar seus professores e seus país dizendo que isto apenas iria atrapalhar a sua vida, ter visto que os jogos foram, quem sabe, talvez uma das partes mais importantes de nossas vidas!

q4

Gostou desse post? Mande sua sugestão de conteúdo para mandae@integrae.com.br.

7515---Rodapé-Blog-Integraê---Yuri

Tweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here