Espaço do colunista – Por Nick Doido


Em ano olímpico, Maringá testemunhará torneio universitário mais equilibrado de todos os tempos.

Quem é o favorito ao título do EP 2016? Quem vai subir para a primeira divisão? Quem cai pra segundona? Difícil acertar os resultados do Engenharíadas Paranaense neste ano, com tanta coisa envolvida.

O bloco dos favoritos ao título geral do Engenharíadas tem seus principais destaques: UEM, UFSC e UFRGS. As únicas atléticas que têm em suas histórias campeonatos do evento são, sem sombra de dúvidas, as principais candidatas a levarem o caneco.

Jogando em casa, a Epidemia (UEM) tenta recuperar o título e fazer história, conquistando o hexacampeonato, feito inédito entre as atléticas que disputam o maior evento esportivo universitário do sul do país. Ter à disposição todos os seus atletas, pode pesar a favor da pentacampeã, mas não garante nada, considerando os rivais que vêm pra disputar esse ano. UFSC e UFRGS, últimas duas campeãs do evento, carregam a responsabilidade de manter o troféu fora do território paranaense, fato que está incomodando muito as atléticas do estado. Trazer de volta o título para o Paraná já virou obrigação para as atléticas anfitriãs do evento.

Correndo por fora, ficam outras atléticas que podem surpreender a qualquer momento. Com seus 700 vikings a caminho de Maringá, não dá pra subestimar a atlética do C7, representando a UFPR. Com uma oferta absurda de atletas à disposição – maior delegação de qualquer jogos universitários da história do Paraná – o C7 chega com força e condições de disputar o título, mas precisa daquele “algo a mais” para provar que pode ser campeã. Junto com ela, também da capital, a UTFPR Curitiba é sempre uma candidata a surpreender. Depois de bater na trave algumas vezes com o vice-campeonato, a Avalanche não vê a hora de erguer a taça e gritar que é campeã.

No meio da tabela, atléticas que buscam seu lugar entre as maiores do evento vêm lutando e crescendo ao longo dos anos. Depois de sair da segunda divisão, a PUC – Curitiba vem para Maringá com nove ônibus e promete incomodar as grandes. As UTFPR Ponta Grossa, Pato Branco, Campo Mourão e a FAG terminam de compor esse bloco intermediário que busca seu lugar entre as cinco primeiras colocadas do EP.

Recém chegadas da segunda divisão, a atlética do BISÃO (Toledo) e a convidada do MS, a UFGD, procuram a permanência na principal divisão do Engenharíadas. A briga entre as atléticas menores para não cair será eletrizante, do início ao fim da competição. Quem errar menos, fica na primeira!

Já na segunda divisão, a briga pelos primeiros dois lugares, que dão acesso a tão sonhada elite do EP, promete. Na divisão de acesso, os favoritos são de Londrina. A UTFPR Londrina e a UEL, que tenta pelo segundo ano voltar a principal divisão do campeonato, contam com o fator distância para ter um maior número de atletas à disposição na briga pela tão sonhada vaga. As atléticas de Cornélio Procópio e a UEPG, que caiu ano passado, também sonham com o acesso, mas terão que conseguir sem o apoio de atletas que poderiam vir apenas para jogar. A segundona promete fortes emoções em 2016!

Nos resta esperar mais dois dias para sabermos o que vai acontecer. A única certeza que temos é que no feriado que se inicia no próximo dia 26, testemunharemos a maior competição esportiva universitária da história do sul do Brasil. Que vençam os melhores!

Gostou desse post? Mande sua sugestão de conteúdo para imprensa@agenciaeuphoria.com.br.

7515---Rodapé-Blog-Integraê---Nic-doido

Tweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here